Post Transplante de Menisco

TRANSPLANTE DE MENISCO

Quando falamos em Reconstrução articular, a palavra que vêm imediatamente a cabeça é prótese. A colocação de uma prótese, salvo excessão, de uma maneira geral é voltada para a população acima dos 50 anos e com artrose avançada na articulação do joelho, seja Uni, Bi ou Tricompartimental. Provavelmente você nunca ouviu falar nesse tipo de cirurgia e o TRANSPLANTE DE MENISCO é um tema que ganha cada vez mais força no mundo inteiro, com resultados estimuladores e voltado para a população mais jovem, que após sofrer grave lesão no menisco teve que ser submetido a Meniscectomia (retirada parcial, subtotal ou total do menisco).

 

Tentando explicar de uma maneira mais simples e abrangente, os meniscos são considerados as estruturas mais nobres do joelho, são fibrocartilagens (grosseiramente seriam como as nossas orelhas) e com função primordial e insubstituível de atuar na absorção do impacto, proteção da cartilagem e distribuição da carga que o joelho é submetido de forma constante durante a prática esportiva e nas atividades cotidianas, além de auxiliar na estabilidade e nutrição articular.

 

O risco de desenvolver artrose depois da meniscectomia tem sido demonstrado em muitos estudos clínicos e um conceituado Cirurgião americano, Noyes F, em 1994 já havia definido que “A perda do menisco é considerada a causa número 1 da saída de um atleta de alto-rendimento do esporte!”

 

Smith A, em 1972: Garantiu que “os meniscos suportam forças de reação 2 a 5 vezes maior que o peso corporal em atividades normais e até 24 vezes durante atividades de impacto”.

Outros autores conhecidos como Woo S e Arnoczky S, também em 1972 publicaram que os “Meniscos absorvem 50% da carga em extensão e 85% em flexão”.

Ainda falando da importância dos meniscos e suas funções biomecânicas, em 1972,  Kettelkamp  DB e Jacobs AW se aprofundaram no assunto e comprovaram que o Menisco Medial (MM) transmite carca de 45 a 50% da carga que transpassa o joelho enquanto o Menisco Lateral (ML), ainda mais importante, é responsável por 65 a 75%. Definiu também que a Ressecção do MM reduz em 50 a 70% a superfície de contato e aumenta o estresse na superfície articular em 100%; já a ressecção do ML reduz em 45 a 50% superfície de contato e aumenta o estresse na superfície articular em 200 a 300%!! Neste mesmo estudo, 53% dos pacientes já apresentavam queixas referentes a perda do menisco após 4 anos da cirurgia e 67% após 14 anos.

 

Então, qual seria a melhor opção para preservação dos meniscos lesionados?

 

Comprovada no mundo inteiro como a melhor opção no tratamento das lesões de menisco (quando possível) a sutura de menisco (Meniscorrafia) tem o poder de “salvar”, de mudar a história natural do joelho, atuando não apenas no tratamento da referida lesão como também na prevenção de uma artrose futura.

 

É como se a Meniscectomia tratasse o problema de forma imediata e temporária, porém criando um novo para o futuro do joelho, a artrose.

 

Difícil de imaginar, uma vez que 99% dos Cirurgiões, especialistas em Cirurgia do Joelho no Brasil não realizam a técnica da Sutura de Menisco.

 

Dentre outros, os principais motivos que os cirurgiões costumam alegar são a dificuldade da técnica (é considerada uma das cirurgias mais difíceis dentre as técnicas que envolvem joelho), o tempo de cirurgia (visto que ressecar uma lesão é infinitamente mais rápido do que suturar o menisco) e, pasmem, o critério financeiro (“os planos de saúde não remuneram o cirurgião pela técnica, sendo os valores para meniscectomia e meniscorrafia bastante similares”).

 

Em teoria, quanto mais pacientes fizerem artroscopia e tiverem o menisco ressecado através da meniscectomia, em tese, mais pacientes entrariam na “fila” como candidatos em potencial a realização do Transplante de Menisco.

 

Considerada “a técnica mais difícil dentre todas na especialidade da Cirurgia de Joelho”, o Transplante de Menisco consiste na Reconstrução da anatomia articular através da colocação de um menisco proveniente de um Banco de Tecidos. Os tecidos são preparados e testados, sendo o risco de infecção, rejeição ou transmissão de doenças inferior a 1 caso / 1 milhão (similar ao paciente que recebe uma transfusão sanguínea).

 

Esse procedimento complexo já vem sendo realizado ao redor do mundo a cerca de 30 anos com resultados estimuadores quando bem indicados e realizados, porém com poucos casos no Brasil até o momento.

 

Quem seria o Candidato ideal ao Transplante de Menisco?

 

Pacientes jovens (até 50 anos), que apresentam dor na interlinha articular secundária a defiência meniscal ou sinovite intermitente no joelho e com evidência documentada de meniscectomia subtotal ou total prévia. Deve apresentar estabilidade articular (ou fará a reconstrução ligamentar simultânea), nenhuma evidência radiográfica de artrose avançada no joelho e sem deformidade angular no membro inferior (valgo ou varo que podem ser corrigidos por osteotomias 6 meses antes do Transplante) e com alteraçãoes precoces até grau I ou grau II da cartilagem articular por sobrecarga e sem apresentar incongruência articular durante a artroscopia. A decisão final é feita intra-operatória e as lesões condrais (cartilagem) grau III ou grau IV contra-indicam o procedimento.

 

Como é feito o planejamento e preparo pré-operatório?

 

- Clínica: controle do peso corporal em relação a altura; avaliação da estabilidade articular (LCA, LCP, LCM, LCL e CPL), avaliação da marcha e agachamento, avaliação do eixo do referido membro inferior;

- Radiológico: Rx panorâmico de Membros Inferiores (avaliar os Eixos Mecânico e Anatômico); Rx em AP com carga monopodal em extensão, Rx em PA com flexão de 45˚, Axial de patela e perfil;

- Ressonância Magnética Nuclear (RMN) para avaliar a qualidade e quantidade do tecido meniscal restante e demais estruturas do joelho;

- Cintilografia óssea em casos de dor inespecífica;

- Tomografia Computadorizada (TC) pode auxiliar na mensuração do tamanho do platô tibial e consequentemente do menisco;

- Mensuração do tamanho do menisco a ser utilizado com protocolo definido com o Banco de Tecidos (RX, TC e RMN).

- Exames pré-operatórios básicos incluindo sangue, urina, Rx tórax, eletrocardiograma e avaliação do Risco Cirúrgico realizada por cardiologis ou clínico geral de confiança.

 

É necessário fazer algum tipo de teste para compatibilidade do tecido ou antibioticoterapia específica?

 

Não. O tecido é preparado, testado e armazenado congelado nos Bancos de Tecidos que são locais específicos para essa função. Como dito anteriormente, o risco de infecção, rejeição ou transmissão de doenças é inferior a 1 caso / 1 milhão (similar ao paciente que recebe uma transfusão sanguínea. A antibioticoterapia é feita durante a cirurgia, como em qualquer outro tipo de cirurgia ortopédica e não no período pós-operatório.

 

Qual o melhor momento para realização do Transplante?

 

Acreditamos que a linha entre fazer a cirurgia e passar o time correto é muito tênue. A sinovite (inchaço) do joelho após atividades básicas é considerada o melhor momento para se iniciar a programação para o Transplante.

 

O Transplante de Menisco foi feito para a prática esportiva?

 

Não para atividades profissionais. Atividades que envolvem muitos movimentos de giro e trocas de direção (movimentos do tipo pivô), como Futebol, Basquete e Rugby devem ser desencorajadas pelo risco da lesão no menisco transplantado. Outras atividades como Ciclismo, Corridas, Caminhadas, Musculação, Tênis, Surfe, StandUp, Esqui entre outras, são autorizadas de forma irrestrita após 6 a 8 meses do procedimento, quando o paciente recebe alta completa.

 

Em que condições o Transplante está Contra-indicado?

 

As contra-indicações incluem pacientes com artrose avançada, Idade superior a 50 anos, Mau alinhamento axial, Instabilidade da articulação, Artrofibrose (rigidez articular), Atrofia muscular severa, Infecção articular prévia e Pacientes assintomáticos.

 

De que consiste a técnica cirúrgica do Transplante de Menisco?

 

O menisco previamente mensurado e selecionado para o Transplante é inserido no joelho através de 2 pequenos acessos cirúrgicos, junto com um pequeno bloco ósseo. A cirurgia é toda feita com a colocação de uma câmera filmadora no interior do joelho (Artroscopia). Após fixação do bloco ósseo, o menisco é suturado em toda sua extensão junto a cápsula articular, garantindo estabilidade ao menisco e retorno das funções de absorção do impacto e rolagem da cartilagem sobre ele. Portanto, o Transplante de menisco nada mais é do que uma grande sutura de menisco!

 

Como funciona o Pós-operatório da Cirurgia de Transplante Meniscal?

 

O paciente permanece internado por um total de 24 horas, consegue deambular com auxílio de 2 muletas e com carga parcial axial já no primeiro dia de pós-operatório. Utilizamos inicialmente um imobilizador de joelho como proteção (por 3 semanas), que é removido diariamente para a realização dos exercícios e da fisioterapia. A Crioterapia (Gelo) e os exercícios de fortalecimento também se iniciam no primeiro dia de pós-operatório e evoluem de forma progressiva. Após 6 semanas a carga sem muletas é estimulada. Com 3 meses de pós-operatório se iniciam os exercícios com bicicleta estacionária, com 5 meses as corridas. Após seis a oito meses o paciente é autorizado a retornar as atividades esportivas conforme explicado acima.

 

Qual a taxa de sucesso da Técnica de Transplante de Menisco?

 

Apesar da complexidade da técnica, os resultados da literatura mundial reportam sucesso em torno de 80% dos casos, com melhora da dor, redução da sinovite de repetição e possivelmente da evolução da artrose (não se sabe ao certo qual seria a evolução individual da artrose no paciente se ele não tivesse realizado o Transplante). As taxas de satisfação do paciente giram em torno de 90%.

 

Conclusão:

 

Estimulamos os pacientes a buscar mais informações com um especialista em Cirurgia de Joelho e principalmente em Reconstrução articular, Lesões complexas do joelho e acostumado com a técnica de sutura do menisco. Com certeza esse profissional terá a melhor resposta para as suas perguntas. Pense no melhor tratamento para o seu joelho, pense no que há de mais modermo, pense e acredite no Transplante.

 

Por Rodrigo Goes.

Foto Post Calçados Esportivos A Importância do Calçado Esportivo

Nas últimas décadas, o desenvolvimento dos calçados esportivos vêm sendo uma das mais significantes contribuições da tecnologia e indústria para [...]

Dor na Perna do Esportista

Atualmente em meu consultório, uma das queixas mais comuns entre os esportistas, especialmente os corredores, sejam eles amadores ou profissionais [...]

Sem título Osteotomia Corretiva de Realinhamento dos Membros Inferiores

Vamos tentar explicar como abordar e tratar as deformidades angulares dos membros inferiores dos adultos, especialmente as pernas arquedas. Será [...]

exercícios-de-pilates Lesões comuns no Pilates

Imagine um exercício em que você utiliza a força, equilíbrio e controle do seu próprio peso, que respeita os seus [...]

A pregnant lady exercising Lesões em Mulheres, é possível prevenir?

A presença das mulheres em atividades esportivas é um fato cada vez mais frequente. Atualmente elas não se resumem a [...]

Sem título Entenda a Pubalgia

A pubalgia se caracteriza pela presença de dor, na região baixa do abdômen e na virilha. Descrita pela primeira vez [...]

Sem título INCIDÊNCIA DE FRATURAS POR ESTRESSE EM JOGADORES DE FUTEBOL DAS CATEGORIAS DE BASE

Objetivo: Comprovar a incidência de fratura por estresse em jogadores das categorias de base de um grande clube de futebol [...]

tenis Conheça as lesões mais frequentes no tênis

O tênis é um esporte que requer concentração, coordenação, agilidade e habilidade específica, além de uma relação direta entre a [...]

98838cabd962f2ce5d616cf98ac90b65 (1) Dr. Rodrigo Góes e Instituto Reação comemoram parceria de sucesso

Desde 2012, o Dr. Rodrigo Góes é parceiro do Instituto Reação, fundado pelo medalhista olímpico Flávio Canto. Integrando o programa Reação Saúde, o [...]

rodrigo Lesões em esportes náuticos – do surfe à vela

O número de esportes praticados no mar, em lagos ou rios cresce a cada dia com esportistas aventureiros em busca [...]

oficial PB A participação do Brasil no Festival Olímpico da Juventude da Austrália

O Festival Olímpico da Juventude da Austrália é um dos maiores eventos esportivos para jovens do mundo e contou com [...]

doping-area Lista de substâncias proibidas de 2012 pelo Código Mundial Antidoping

Resolução N° 33, de 28 de dezembro de 2011 aprova a lista de substâncias e métodos proibidos na prática desportiva [...]

Dr. Rodrigo e os anéis olímpicos Olimpismo e Movimento olímpico

Movimento Olímpico O esporte como instrumento de transformação social Um movimento com base social em prol do desenvolvimento do Homem [...]

Rodrigo e Belfort e thales MMA e as suas principais lesões

O esporte que mais cresce atualmente no mundo, e que cada vez tem mais adeptos e praticantes, as Artes Marciais [...]

O “experiente” Filipe Marcelino, de 5 anos, corre desde os 3 anos. “Sempre trago os meus primos para participar comigo”, conta. Foto: Guto Maia Crianças correm como “gente grande” em pistas de atletismo

Revista O FLU, 09/12/2012. Por: Juliana Dias Ferreira 09/12/2012. Atletas mirins dão show em corridas infantis, que estão virando tradição [...]

FlatFoot[1] Avaliação do uso do Enxerto Homólogo na Osteotomia de Alongamento do Calcâneo para Tratamento do Pé plano valgo neurológico

Rodrigo A. Góes dos Santos Celso Belfort Rizzi Junior Stélio Galvão Márcio Garcia Cunha Maurício Almeida Jesus Rangel Ricardo Carneiro [...]

lca Avaliação dos mecanismos de lesão do ligamento cruzado anterior no futebol

Luiz Antonio Martins Vieira1, Diogo Assis Cals de Oliveira2, Carlos Humberto Victoria3, Inácio Facó Ventura Vieira4, Rodrigo Araújo Góes dos [...]

tendao Análise Epidemiológica das Rupturas do Tendão Patelar

Rodrigo Araujo Góes dos Santos¹, Luiz Antonio Martins Vieira², Carlos Humberto V. Victoria³, Diogo Assis Cals de Oliveira³ RESUMO Objetivo: [...]

joelho Análise epidemiológica das rupturas do ligamento cruzado anterior em pacientes atendidos no Instituto Nacional de Traumato-Ortopedia.

Luiz Antonio Martins Vieira1, Diogo Assis Cals de Oliveira2, Carlos Humberto Victoria3, Marcelo Motta Pereira4, Rodrigo Araújo Góes dos Santos5. [...]

site Avaliação da importância do Diabetes mellitus na incidência da Doença de Dupuytren

Renato Henriques Tavares1, Rodrigo Araújo Góes dos Santos2 Anderson Vieira Monteiro3,Saulo Fontes de Almeida4. RESUMO A contratura de Dupuytren é [...]

femur Avaliação da progressão do deslizamento após fixação “in situ” para tratamento do escorregamento epifisário proximal do fêmur.

Avaliação da progressão do deslizamento após fixação “in situ” para tratamento do escorregamento epifisário proximal do fêmur*  RODRIGO ARAUJO GÓES [...]

lesões esqui Lesões no Esqui Alpino

Moramos em um país tropical, onde prevalecem os esportes praticados na areia da praia ou no mar, como o vôlei [...]

SITE Vila Olimpica London 2012 padrao As lesões mais comuns em Jogos Olímpicos

  Os Jogos Olímpicos de verão é o maior evento esportivo do mundo e ocorre a cada 4 anos, envolvendo [...]

Dr. Rodrigo com a tocha olímpica peq Londres 2012 – Uma Experiência Única

Como todos vocês sabem, destinei toda minha vida ao esporte, inicialmente como atleta, depois como torcedor curioso e estudioso e [...]

bruno e rodrigo Amigos e sócios do Rio Cricket nas Olimpíadas de Londres

Nos gramados do Rio Cricket Associação Atlética eles cresceram juntos e alimentaram o mesmo sonho de um dia serem profissionais [...]

Rodrigo FLU Rumo às Olimpíadas

O niteroiense Rodrigo Góes viajou para Londres no início de julho para integrar a equipe de médicos da Comissão Olímpica [...]

sutura de menisco Sutura de Menisco

No passado, os pacientes que apresentavam quadro de dor no joelho, colocava-se a culpa nos meniscos. Chamavam de “doença do [...]

IMG_1263 Uma visita ao Instituto Reação

A seleção olímpica de judô fez os últimos treinos no Brasil antes dos Jogos de Londres, no dojô Pedro Gama [...]

ufrj Dr. Rodrigo Góes coordenou o módulo de Lesões no Futebol na Pós-Graduação em Futebol na UFRJ

No último dia 15 de abril aconteceu na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) o módulo de Lesões no [...]

rodrigo equador Dr. Rodrigo Góes a serviço da pátria

O mês de dezembro de 2011 foi muito especial para o Dr. Rodrigo Góes, convocado pela primeira vez para integrar [...]

rodrigo aaos Dr. Rodrigo Góes se torna membro da Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos

O encontro anual da American Academy of Orthopaedics Surgery (AAOS), o maior congresso de ortopedia do mundo, aconteceu em favereiro, [...]

artrose e prótese Artrose e prótese de joelho: entenda o problema

Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), vivemos a década da gonartrose. Para muitos, ter essa doença é apenas uma [...]

deformidades-angulares Deformidades angulares no joelho pediátrico

Uma queixa muito frequente no consultório de um cirurgião de joelho ou ortopedista pediátrico diz respeito à aflição dos pais [...]

equipe-handball-brasil Dr. Rodrigo Góes foi responsável pela equipe médica dos Jogos Sul-Americanos de Rugby

A convite da Confederação Brasileira de Rugby (CBRu), Dr. Rodrigo Góes foi o coordenador da equipe médica dos Jogos Sul-Americanos [...]

dr-rodrigo-transplante-menisco Entenda o transplante de menisco

Convidado pelo Dr. Robert McCormack, médico chefe do Comitê Olímpico Canadense e do Grupo de “Sports Injuries” da British Columbia [...]